O presente de 2020: O que este ano sem precedente nos trouxe?



Que ano meus amigos compradores!

Pesquisas realizadas informalmente mostraram que, 9 entre 10 pessoas consideraram 2020 um ano duro. Foram muitas dificuldades, adaptações e principalmente perdas. Perda de relacionamentos que não resistiram a ‘prisão domiciliar’ imposta pela pandemia, perda de posições de trabalho que também não resistiram ao caos criado na economia devido às mudanças de hábito dos consumidores e especialmente perda de vidas. Foram 190.000 mortos no Brasil e 1.750.000 mortos no mundo. Pais, mães, tios, avós, chefes, mentores, compradores.


Possivelmente vocês leitores, assim como eu, estudaram, leram e aprenderam sobre a peste bubônica (ou peste negra), a varíola, a cólera e outras epidemias ou pandemias que assolaram a humanidade ao longo dos séculos, mas nunca puderam sentir tão de perto os efeitos de uma pandemia como a do Coronavírus. E longe de mim querer ‘romantizar’ essa pandemia. 2020 para muitos foi um ano perdido! E tudo bem! Tudo bem ficarmos irritados. Tudo bem ficarmos chateados com o que se perdeu. Tudo bem ficarmos desolados com a perda de alguém. Porque no fim, o que (ainda) nos diferencia das máquinas é a capacidade de sentir.

Um sistema de RPA (do inglês Robot Process Automation - ou Robô de Automatização de Processos) pode, por exemplo, converter requisições de compras em pedidos 100% do tempo em que estiver programado para isso - independente se há uma pandemia no mundo, se alguém perdeu o emprego ou se um casamento acabou. Mas nós não. Pessoas sentem! E…tudo bem!


Porque no fim desse ano nós ainda estaremos aqui, reclamando da pandemia e comentando o quanto 2020 foi um ano difícil. Mas quando o relógio virar 00h do dia 01/01/2021, nós brasileiros, aqueles que ‘não desistem nunca’ estaremos comemorando o fim de 2020 e o início de um ano novinho para nós. Um ano novinho que nos trará a chance de recomeçar - talvez voltar a pensar naquela pós-graduação que você está adiando, naquela vaga de trabalho dos seus sonhos, que você viu mas decidiu não se candidatar para não arriscar a estabilidade do seu emprego atual, naquele curso que sabe que precisa fazer, mas estava com medo de um ‘gasto desnecessário’ em meio à pandemia, naquele intercâmbio com o qual você sonha há anos ou até mesmo um novo ano para você repensar aquele relacionamento que não te faz tão bem.


Nós somos movidos a recomeços. Cada recomeço é uma nova chance de dar certo - você já parou para pensar por que segunda-feira é o dia mundial do início das dietas? A cada novo dia (e principalmente a cada segunda-feira) somos presenteados com uma nova chance de recomeçar e de fazer dar certo - qualquer que seja o nosso desejo. Isso nada mais é do que resiliência.


A ciência define resiliência como a capacidade de um corpo de retornar à sua forma original, independente da força ou do impacto que for aplicado a este corpo. Já a psicologia define resiliência como a capacidade de recomeçar, de tentar novamente, de tentar de outra forma!


Pois bem, o exercício da resiliência foi o presente que 2020 nos deu. Todos as pessoas e especialmente todos os compradores que passaram por 2020 podem atualizar seu currículo e adicionar o adjetivo “resiliente” em suas características, caso ainda não o tenham feito! Nós somos guerreiros e nós passamos por este ano, então agora é hora de comemorar. Claro que ainda estamos observando o distanciamento social e ajudar a frear a contaminação pelo vírus é nossa responsabilidade social, então desejo que você se lembre à meia-noite do dia 1º de janeiro de 2021 o quão resiliente você se tornou em 2020 e faça um brinde a você, a sua vida, a sua carreira e especialmente ao seu futuro!


Que em 2021 você seja exatamente aquilo que você deseja ser, e se estiver difícil, a resiliência lhe fará continuar!


Tim Tim! Um brinde a você!


Escrito por Flávia Paiva | 26/12/2020