top of page

Comprometido ou envolvido?



Primeiro de tudo, qual seria a diferença entre envolvimento e comprometimento?


O envolvimento (latin involvere) que seria o mesmo que cobrir, enrolar ou misturar, ele está relacionado ao seu trabalho, tem paixão pelo que faz e se orgulha disso, mas não quer dizer que está feliz onde trabalha. E na sua família e sociedade, você também está envolvido com eles?


O comprometimento (latin compromittĕre) remete ao sentido de assumir uma obrigação ou promessa firmada com outra parte. No trabalho, tem orgulho da organização, indica os seus produtos e serviços e vê a empresa como um ambiente prazeroso de trabalhar. O colaborador associa o seu sucesso profissional à companhia. São as suas atitudes, comportamentos e palavras que fazem com que você faça parte da empresa, como um time.


Nos processos seletivos


Já ouvi muito nas entrevistas estas expressões:


“Quero contribuir para o crescimento da empresa e crescer junto com ela”.


"Que vestir a camisa da empresa".


"Tenho sangue nos olhos para trabalhar com muita dedicação e comprometimento".


Mas de palavras bonitas o mundo inteiro está cheio, será que você aplica isso no dia-a-dia na empresa que foi selecionado?


As empresas preferem funcionários envolvidos ou comprometidos?


Na maioria das vezes encontramos pessoas envolvidas, quando começam na empresa "vestindo" a camisa da empresa, mas quando acontece alguma turbulência, tiram a sua camisa, deixam a empresa na mão, mas por outro lado também temos as pessoas comprometidas quem vem aumentando no mercado, que são pró-ativas, fazem de tudo para se desenvolver perante os seus pares, enfrentam juntos vários desafios.


A história do porco e a galinha


Um porco e uma galinha passeavam pela fazenda, quando o fazendeiro chegou propôs-lhes um desafio:


– Vocês serão responsáveis por preparar o meu pequeno-almoço diferente todos os dias da semana durante as próximas duas semanas. No caso de falharem, por falta de um menu variado num desses dias, o pequeno-almoço será preparado por mim próprio, sem opção, prepararia bacon com ovos para começar o dia.


Ficaram ambos muito motivados, o porco e a galinha, a cumprir a tarefa de preparar um menu diferente todos os dias.


Tudo correu bem nos dois primeiros dias, o porco sempre de maneira muito pró-ativa começava o dia a pensar no menu para o dia seguinte, separava os ingredientes, planeava as tarefas necessárias, controlava o tempo necessário, inovava na forma de preparação, sempre com o objetivo de cumprir a metas e era ajudado pela galinha que cumpria as tarefas que lhe eram atribuídas.


Os dias passaram, as receitas aumentavam de complexidade, e o porco gastava a maior parte do dia a preparar o menu do dia seguinte, para o fazendeiro. Deixou de ter tempo para atribuir as tarefas à galinha. A galinha passava o tempo livre para picar o chão e a procurar minhocas. Isto diminuía drasticamente o tempo disponível do porco, que se via obrigado a trabalhar ainda mais para cumprir as metas estabelecidas pelo fazendeiro.


Até que um dia antes de terminar o prazo, não conseguiu preparar um pequeno-almoço diferente, devido à exaustão e cansaço acumulado.


O fazendeiro não ao ver que não tinha sido cumprido o objetivo traçado, foi preparar o seu pequeno-almoço, dando indicações aos seus criados:


– Matem o porco para fazer bacon e tragam ovos da galinha!


Fonte: Contada por Marta Vasconcelos, adaptado!


O comprometimento do porco significava o seu sacrifício. Quantos são os projetos que você sacrificou a sua saúde, vida pessoal, social, profissional. familiar ou valores? Pense o que você se considera realmente comprometido e pergunte-se o quanto vale o seu comprometimento.


Os envolvidos executam todo seu trabalho, porém ainda reclamam se lhes pedem outras tarefas.


Agora te questiono, você é comprometido com as outras pessoas, com o que faz, com sua família, com seu trabalho, com a alegria, motivação dos que estão próximos de você? Seria uma galinha ou um porco?



Reflita sobre isso, vista sempre a camisa e tenha pensamento de dono.




Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Comprador e de seus editores.

bottom of page