top of page

Como aproveitar a Temporada de Compras Festivas



A Black Friday abre a temporada de compras para o Natal e tem impacto significativo como cultura comercial global sobre promoções e liquidações no varejo físico e eletrônico. Várias partes do mundo adotam o esquema, varejistas utilizam-na para grande oportunidade para atrair clientes, chegando a abrir horas mais cedo e algumas realizam festas, transmissões ao vivo pelo streaming, shows, festivais, criam condições para que a oferta de suas promoções tenham diferenciais.


No Brasil teve início em 2010. A título de comparação, se em 2010 cerca de 50 lojas participaram com faturamento de R$30 mi, em 2013 houve mais de 300 lojas com faturamento de R$770 milhões, em 2017 foram mais de 500 lojas com faturamento de R$2,11 bi, ou seja, vendas crescentes com adoção de políticas estratégicas e sendo incorporadas à cultura de consumo brasileira.


1) Planejamento financeiro

Realizar uma boa pesquisa inicialmente é uma boa pedida para mapear às oportunidades disponíveis no mercado. Crie uma lista de presentes com a construção de um orçamento doméstico adicionando ao seu planejamento financeiro. Com muitas oportunidades, é recomendável ter atenção e cuidado com suas finanças. Não compre por impulso, planeje-se antecipadamente para poder aproveitar ao máximo condições, pois algumas compras são essenciais para você e outras podem passar em branco.


A dica é constituir um caixa iniciado a alguns meses atrás para sua programação e aproveitamento. Algumas promoções podem ser tentadoras, todavia deve-se ater ao combinado na relação orçamento e interesse. Então, foco e objetivo também devem estar presentes na construção desse planejamento.


2) Condições de compras

A pergunta é muito bem-vinda e válida: comprar à vista ou parcelado? Depende do seu orçamento e da negociação que consegue fazer com o comerciante. A tendência é das compras feitas em dinheiro terem um desconto bem maior que as feitas pelo cartão de crédito. Muitas avaliações mostram que as condições de compra a vista e por cartão de débito são iguais.


Também, é preciso considerar seus direitos, como a desistência do produto no prazo de sete dias em compras virtuais ou presenciais (L8078, Art.49). Quais dúvidas mais pertinentes podem ser respondidas pelo Código de Defesa do Consumidor - L8078/1990 ou pelo PROCON de seu estado. Não se acanhe, obtenha informações, peça comparações, exija quando você tem a razão e negocie descontos.


3) Fraudes financeiras

Na pesquisa divulgada pela ClearSale relacionada entre janeiro e junho de 2022, no Mapa da Fraude, mostra que houveram 2,8 milhões de tentativas de fraudes somando R$2,9 bi, crescimento de 9% ao mesmo período de 2021, sendo eletrônicos (9,01%), celular (7,94%) e games (5,65%), e região norte (3,34%) para maior índice de tentativas sobre a quantidade de transações, a região sul (1,09%) a menor do índice, além de 49,1 milhões de pedidos de fraudes em números absolutos na região sudeste. O Mapa da Fraude analisou mais de 165 milhões de pedidos e considerou pedidos de pagamentos via cartão de crédito no setor de e-commerce.


Considerar estes números faz com que o consumidor redobre sua atenção na hora da compra, pagamento, recebimento e monitoramento sobre sua experiência. Registre o Boletim de Ocorrência, alerte à empresa e a instituição financeira sobre o caso, faça valer seus direitos sobre o ressarcimento, veja se as operações possuem seguro, os caminhos que fez para isso registro para que as autoridades possam providenciar uma melhor investigação, etc.


4) Loja física ou virtual?

Há pessoas que sentem conforto melhor ao realizarem suas compras através do e-commerce, nas lojas eletrônicas, catálogos virtuais, etc. Isso mostra porque o setor de comércio eletrônico tem um alto crescimento e atratividade para que times batessem metas audaciosas. Com as PMEs mais beneficiadas, o faturamento do comércio eletrônico teve alta de 48,41% em 2021 em relação a 2020, que teve também crescimento de 35,36% em relação a 2019. Segundo dados do MCC-ENET, as vendas pela internet tiveram impactos diferentes nas regiões: Norte (56,16%), Centro-Oeste (52,58%), Nordeste (48,43%), Sul (38,98%) e Sudeste (30,30%). O e-commerce cresceu 26,9% e faturou mais de R$161 bilhões através de 353 milhões de entregas, conforme levantamento da Neotrust. O ticket médio cresceu 8,6% em 2021 a R$455,00 por compra.


Muitos sentem que é mais seguro ir até lojas físicas para poder também negociar preços, condições e experimentas os produtos. Não há um consenso ainda sobre qual é a melhor escolha, talvez o fato da retirada do produto ser na hora ou poder falar diretamente com um representante comercial ou vendedor traga uma experiência para o cliente, contudo é evidente que o comércio eletrônico veio para ficar e já parece estar na cultura digital brasileira. Com tecnologias dos meios de pagamentos, PIX, formas facilitadas de crédito, tudo tornou-se muito mais fácil e prático. É recomendável que o cliente verifique se haverá descontos interesses presencialmente mais do que virtual com os cupons para realizar essa alteração de compra, mas sem dúvida nenhuma que o consumidor já está “sacando” qual a estratégia das empresas e optando inclusive por compras em ambos os canais.


5) Cashbacks, brindes e acúmulos de descontos

Cashbacks são recompensas pagas que podem ser convertidas em outros produtos através de uma porcentagem ou acúmulo de pontos, com políticas e regras definidas. São parte de um sistema criado para incentivar diversos setores e servem de estratégias para negócios aumentarem suas vendas e receitas. Dessas comissões que também podem virar vouchers, alguns sites fornecem descontos progressivos, conversão em dinheiro a exemplo o PayPal, pagamentos móveis como PicPay e Mercado Pago e outras ordens para o usuário. Existem recompensas que podem também ser convertidas em milhas aéreas e o consumidor pode acobertar os preços de uma viagem ou mais.


Outras possibilidades que indicam aproximação com clientes são: brindes mediante compra de determinado número de produtos ou valor em compras, acúmulo de compras ou descontos para promoção de outro brinde ou cashback, participação em sorteios, premiações, gincanas, promoções, etc. Diversas empresas tentam criar espécie de evento para promover a chegada de algo inédito em sua rede a fim de tornar a participação desse consumo algo diferente, inovador e positivo para quem se relaciona com a marca. Outras estratégias estão mais condicionados com a política de preços, parcerias pagas e não pagas com fornecedores e outras empresas, o sistema de fornecimento ou entrega, adoção de tecnologias como aplicativo, site, etc.


O consumidor deve ter muita atenção para vendas casadas, preço muito abaixos da média de mercado na internet, sites fraudulentos, compras tendenciosas por boleto ou PIX, alterações de senhas, instalação de aplicativos e atualizações. A Black Friday nasceu para ajudar o consumidor a aproveitar melhor antecipadamente compras para as datas festivas como Natal e Ano Novo e isso deve ficar claro. É uma alteração da cultura brasileira que tende a deixar mais para o final do período a fim de sugerir novas oportunidades de preços e de condições de compra.


Quem ganha com essas transformações é o cliente, e isso parece claro na participação do cliente nessa alavancagem de vendas construídos ao longo do tempo. E se for através de um e-commerce, loja física, plataforma digital, aplicativo, site, comércio eletrônico ou qualquer outra forma de comprar, está tranquilo, seus direitos e responsabilidades devem ser sempre o objeto da atenção e a estratégia o negócio a se fechar.




Texto escrito por Thales Kroth | 28/11/2022, é sócio na Eu Acionista e é colunista do Café com Comprador.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião do Café com Comprador e de seus editores.

Comentarios


bottom of page