Pessoas pedem demissões dos chefes, não necessariamente das empresas…



Vamos falar de um assunto ainda considerado um tanto quanto tabu: Agressividade na área de Compras.


Vale ressaltar que muitos dos assuntos aqui discutidos se aplicam a diversas áreas, entretanto muitas pessoas ainda tem a errônea ideia de que negociação é sinônimo de agressividade.


Vamos começar com o básico: Não importa qual seja o seu cargo, estagiário, comprador, analista, supervisor, gerente, diretor ou Chief Procurement Officer, é o seu dever como pessoa respeitar todos ao seu redor. Já diria a minha mãe: Respeito é algo que se conquista e por mais que eu respeite a hierarquia, se você for o cargo mais alto da empresa e não souber lidar com pessoas, certamente não terá o meu respeito.


Certa vez fui entrevistada para uma vaga de emprego pelo CPO Global de uma empresa. Ele se atrasou 5 minutos e ao chegar para a reunião, passou os próximos 5 minutos se desculpando e expressando o quanto sentia muito por ter me feito esperar. Eu certamente estava esperando um profissional que usaria sua pseudo-importância dentro da empresa para justificar o atraso, mas ao contrário, o CPO “me ganhou” naquele momento. Sua empatia e humildade fizeram com que eu quisesse trabalhar para aquela empresa.


E o contrário também já aconteceu: Trabalhando para uma gigante multinacional, um determinado profissional com quem eu tinha contato diário fez com que eu decidisse sair da empresa. Os constantes atrasos injustificados, uso de agressividade extrema, solicitações de última hora (que ao serem atendidas perdiam sua importância) e inclusive o uso de ‘palavrões’ para justificar seu ponto, fizeram com que “a empresa” perdesse o seu valor para mim.


Então vamos combinar: Estamos em 2021. Século XXI. O mundo pós-pandemia não é mais o mesmo. As barreiras não existem. Você pode ser Americano, fisicamente na China, trabalhando para uma empresa Europeia. Você pode ser chefe de alguém em um projeto e este mesmo alguém ser o seu chefe em outro. O mundo mudou! E as relações também. O seu fornecedor hoje, pode ser o seu chefe amanhã. E o seu chefe hoje, pode passar a reportar para você no futuro.


Fica claro então o quanto a agressividade pode ser problemática e perigosa.


Em algumas empresas, especialmente multinacionais, o cargo utilizado para a posição de Comprador é “Supplier Relationship Manager” ou seja, gerente de relacionamento com o fornecedor! Gerente de RELACIONAMENTO! Nós, profissionais de compras e o nosso dia-a-dia, giram em torno de relacionamentos, sejam eles com clientes internos, fornecedores ou com o nosso próprio time. E nós precisamos não só zelar por um bom relacionamento, como também precisamos orientar as pessoas que não entendem a importância deste.


Citarei novamente as palavras da minha mãe, que ouço desde pequena: “Não faça com os outros, o que você não quer que façam com você”!


Se marcou uma reunião, apareça. Se teve um imprevisto, avise. Se precisa de algo urgente, peça por favor, explique o motivo e especialmente agradeça. Se o plano mudou, avise. Se tem problemas, explique. Se não está contente, dê um feedback. Combine as regras do jogo antes da partida começar. Se quer construir um verdadeiro relacionamento com o fornecedor, não faça ameaças, não blefe. Seja transparente. Tenha conversas difíceis. Exponha o que você precisa e dê liberdade ao fornecedor para atender suas expectativas ou informar que você deve buscar outro fornecedor. Se não vai conseguir entregar algo no prazo prometido, avise, explique. E não se esqueça nunca: A vida é como uma roda-gigante! Um dia você está por cima e no outro você pode estar por baixo!


Seja o motivo pelo qual as pessoas querem trabalhar em sua empresa, não o motivo pela qual elas pedem demissão. Respeite as pessoas e seja gentil! A vida é simples! Nós é que acabamos complicando demais!



Escrito por Flávia Paiva | 15/07/2021