Inovações nas contratações da Construção Civil


Quando se fala de cadeia de suprimentos, é necessário contemplar diversas fases. Primeiramente o planejamento da demanda, logo após vem a etapa comercial de cotação, negociação e compra e depois a etapa de recebimento físico e fiscal.


Olhando de uma forma mais abrangente e considerando a cadeia desde sua origem, quando acontece a venda seguida pelo planejamento de produção, o nome da cadeia muda para S&OP.


Analisando a outra ponta, depois do recebimento da demanda vem a etapa de pagamento e nesse caso algumas empresas chamam a cadeia de R2P.


Seja lá qual for o nome utilizado e qual o foco da análise, quero chamar a atenção para a necessidade de inovação.


Quando o assunto é inovação, existem inúmeras formas de estudar, aplicar e medir. Inovações acontecem em processos, produtos, insumos, serviços, métodos, nas etapas de planejamento, produção e em diversas outras dimensões.


Em meados de 2001, trabalhei numa indústria de plásticos, onde a principal atividade era comprar polietileno, transformar em frascos e vender para outras empresas. Num certo momento, estudamos a parte logística e entendemos que transportar frascos era muito caro e que fazia sentido abrir unidades in-house dentro das empresas clientes. O projeto foi concretizado com sucesso e algumas unidades foram abertas gerando grandes economias com logística. Essa operação foi uma inovação na época e além do retorno financeiro, a empresa teve sua imagem alavancada em termos de empreendedorismo inovador.


Outro case de sucesso, em 2008, foi uma operação de central de compras que conseguiu juntar demandas de empresas de diversos segmentos que tinham políticas de compras e objetivos de mercado muito diferentes entre si. O fator de sucesso se deu quando identificamos um objetivo em comum, que era reduzir custos sem prejudicar a qualidade. A operação foi um sucesso, gerando grandes economias e novamente rompendo a barreira dos paradigmas. A empresa foi muito reconhecida por essa iniciativa.


Levando esses pensamentos para o segmento da construção civil, tive algumas conversas com especialistas da área e foram criadas questões com o objetivo de provocar mudanças na atual forma de contratação e principalmente implementar inovações.


Para isso, separamos em 3 blocos: projetos, serviços e materiais:


Projetos:


Como sua empresa faz projetos, tem equipe própria ou contrata empresas de projetistas? Quais os custos de fazer com equipe própria ou terceira?


Quais são os riscos e prazos de fazer projetos internamente e/ou terceirizar?


Como é feito o planejamento de criação dos projetos? Planejou evitar problemas de compatibilização e possíveis revisões? Orçou corretamente?


Quem vai cuidar das aprovações? Quem será responsável técnico? Terá seguro? Se sim, quais coberturas?


Serviços:


Como funciona as contratações de serviços? Turnkey? Especialistas por categorias? Como funciona a gestão de obras? Como será a divisão de responsabilidades na obra? Quem executa? Administra? Gerencia? Reporta? Mede? Aprova?


Que tipo de contrato jurídico será utilizado? Quais critérios de medição serão utilizados? Como a empresa trata financeira ou economicamente a medição? Haverá penalidade relacionada a prazo e qualidade? Multas? Prêmios? Bônus?


Quais serão os métodos construtivos?


Como foi feito o planejamento de obras? Foram previstas frentes de andamento de obras suficientes para cumprimento do prazo? Se tiver hora parada o que fazer?


Fez previsão de seguro de obra?


Materiais:


Como é feita a compra de materiais? Junto ou separado do contrato de serviços?


Quais fontes de fornecimento são consideradas? Fabricantes? Distribuidores? Revendas? Avaliou risco de fornecimento? Já fez compras conjuntas? Estudou matriz de compras? Faz compra spot ou faz sourcing? Negocia condição de pagamento? (Esse parágrafo também se aplica a compra de serviços).


Como funciona a logística de entregas? Recebe just in time? Recebe antecipado? Quanto tempo o material deve ou pode estar na obra? O material pode sofrer avarias se armazenado? Pode ser roubado? Tem seguro? Vigilância?


A buscas incessantes pelas reduções de custos e melhorias de qualidade provocam diretamente a necessidade de inovação.


As recentes rupturas de mercado juntamente com as mudanças na economia do país também apontam claramente para fortes necessidades de inovação.


E você já inovou? Vamos dividir experiências...


Autor - Douglas Marques Ferreira

Café com Comprador

Fique antenado